contato@fundestilo.com.br 21 2756-3606

Dicas e Curiosidades

Informação que nunca é demais

Nesta seção você encontrará algums informações que lhe ajudem a entender mais sobre o mundo da fundição em metal e como se relacionar com este tipo de serviço:

Como acontece a fundição em metal?
Após o aquecimento do cadinho, é colocado no mesmo uma composição de metais não ferrosos (estanho, chumbo e antimônio), cada um na sua devida proporção e de acordo com a peça a ser fundida. Quando a temperatura chega a aproximadamente 180°C, a liga de metais é despejada em uma forma de silicone. Esta forma já contém em seu interior o modelo a ser fundido gravado após ser centrifugado, o metal passa de líquido a sólido em segundos, completando assim o processo.
Conhecendo a matéria-prima: O Latão
O Latão é uma liga metálica de cobre e zinco com porcentagens deste último entre 3% e 45%. Ocasionalmente se adicionam pequenas quantidades de outros elementos como Al, Sn, Pb ou As para potenciar algumas das características da liga. As aplicações do Latão abrangem os campos mais diversos, desde armamento, passando pela ornamentação, até tubos de condensador e terminais elétricos.
As ligas metálicas de zinco têm sido utilizadas durante séculos – peças de Latão datadas de 1000-1400 a.C. foram encontradas na Palestina e outros objetos com até 87% de zinco foram achados na antiga região da Transilvânia. O zinco é um metal às vezes classificado como metal de transição, ainda que estritamente não o seja, e apresenta semelhanças com o magnésio e o berílio, além dos metais do seu grupo. Este elemento é pouco abundante na crosta terrestre, porém pode ser obtido com facilidade. Sabe-se que a fabricação do Latão era conhecida pelos romanos desde 30 a.C. Plínio e Dioscórides descrevem a obtenção de aurichalcum (latão) pelo aquecimento num cadinho de uma mistura de cadmia (calamina) com cobre. O Latão obtido é posteriormente fundido ou forjado para fabricar objetos.
Conhecendo a matéria-prima: O Níquel
O Níquel foi o primeiro metal usado pelo homem. Encontrado por volta de 13.000 a.C. no Norte do Golfo Pérsico, como metal puro em seu estado metálico, foi usado inicialmente como substituto da pedra como ferramenta de trabalho, armas e objeto de decoração, tornando-se pela sua durabilidade, resistência à corrosão, maleabilidade, ductibilidade e fácil manejo, uma descoberta fundamental na história da evolução humana.
O Níquel é normalmente usado em sua forma pura, mas também pode ser combinado com outros elementos (metais) para produzir uma enorme variedade de ligas com diferentes características. Apesar de sua antigüidade, o Cobre manteve, aliado aos metais mais novos, um papel predominante na evolução da humanidade, sendo utilizado em todas as fases das revoluções tecnológicas pelas quais o ser humano já passou.
Conhecendo a matéria-prima: O Bronzee
Escavações arqueológicas tem mostrado que há cerca de 4000 a.C. já era conhecido o processo de obtenção do cobre, por aquecimento dos seus minerais de cor verde. Dúctil e maleável, o metal era apropriado para a manufatura de armaduras e pontas de armas cortantes. Mas foi somente 1000 anos mais tarde que se conseguiu, provavelmente por acaso, juntar estanho ao cobre: iniciou-se então uma era de grandes transformações sociais e tecnológicas, conhecida como a Idade do Bronze (uma liga estanho-cobre).
A possibilidade de utilização do bronze para a manufatura dos mais variados tipos de ferramentas duras, como o machado e o martelo, foi tão importante para o desenvolvimento da sociedade humana que o período histórico compreendido de 3000 a.C. até meados de 1500 a.C., a Idade do Bronze, é utilizado por historiadores para dividir a história da pré-história.
<

Fundição Estilo 2000 - 2017 © Todos os Direitos Reservados Desenvolvido por Istrata Comunicação